Pesquisar este blog

Duas pessoas silenciosas

Forma de som

O problema todo é existir...,
saber que existo,
ter consciência disso.

Tentar não existir e ter consciência que existo,
é tão cansativo quanto existir.

O fato é que é impossível não existir
quanto se tem consciência de existir.

Posso entorpecer a consciência,
esquecer-me feito um chinelo velho
do lado de fora da porta,
mas o fato de tentar me esquecer, me faz lembrar que existo,
e a consciência de existir sempre volta em forma de tortura.

É impossível não existir;
existir é uma condenação perpétua.

Eu existo até mesmo sem corpo,
em qualquer forma e até mesmo sem forma.

Quero apenas estar aqui, e não existir,
porém o esforço por não existir
é um paradoxo que me leva a existir mais...

É impossível deixar de existir.
não sei por que aquele homem suicida não pensou nisso;
se enforcou na casa de máquinas.

É impossível deixar de existir,
existir está ligado pelo fio invisível de saber que existo.

A salvação seria a música, respirar ar e música,
existir em forma de música seria a única forma de fuga;
existir com a potência máxima de existir consciente de existir...
talvez não exista tortura nesse modo de existir feita som,
que mora em todas as coisas.

Queria estar apenas ali no frio da noite,
no aconchego de um breve instante,
queria estender um momento até ficar satisfeito de monotonia,
mas nunca há tempo para isso.

Temos sempre que partir na hora errada
temos sempre que ficar no tempo errado,
quando desejamos mais um pouco dessa melancolia,
ou quanto já  estamos fartos de monotonia. 

Garçonete: _ Um pouco mais desse café forte e quente.
Já que está frio lá fora e aqui há apenas duas pessoas silenciosas, 
quero um pouco mais desse silêncio,
gosto de gente de boca fechada, 
Quero ficar um pouco mais com este pensamento. 

José Nunes Pereira 


Integridade

Vim na correnteza feito garrafa aberta  cheia da água e de tudo que vem nesse rio... Vou agora na correnteza feito garrafa muito bem fechada...