Pesquisar este blog

Existir no passado ou no futuro é tudo uma questão de haver uma ponte, um comprometimento uma continuidade, uma mecânica dos acontecimentos.

 Diante do agora,

o passado é um fantasma que reverbera no futuro

que agora é miragem.

O essencialmente agora 


Existir no passado ou no futuro

é tudo uma questão de haver uma ponte, 

um comprometimento

uma continuidade, 

uma mecânica dos acontecimentos. 

Existe na consciência do agora,

no essencialmente agora,

é existir feito um espírito que paira sobre todas as coisas,

inclusive sobre a manifestação de ser gente.

O essencialmente agora é a compreensão de que o existir é uma ilusão,

ou de ser  fantasma ou miragem que reverberá no tempo e no espaço

quando materializado. 

Se o essencialmente agora fosse capitado 

seria ele eternidade para a consciência,

porque ele é a perpétua mutação da natureza. 

José Nunes Pereira 


A consciência são relampejos, sol e lua que aparecem e se escondem entre as nuvens, e raramente luz que brilha um dia todo, uma noite toda.

 ENTREGA


Se entregar a esse momento

para ser isso, ou aquilo,

de todo modo é um grande sacrifício

para quem tem apreço pela mística e o abandono...

Ser esse ou aquele

não é consciência de ser.

A consciência são relampejos,

sol e lua que aparecem e se escondem entre as nuvens,

e raramente luz que brilha um dia todo, uma noite toda.

Ser esse ou aquele não implica em consciência de ser,

apenas se é com a mecanicidade do que se formou com o que se tem,

com uma planta em terra pobre ou em chão apropriado. 

Não se importe com o que você foi...

não se preocupe em se autoafirmar,

Não se importe nem mesmo com o quem você é,

não se importe que ás vezes você pareça idiota,

não se importe se ás vezes a sua própria alegria te incomode; 

o que realmente tem significado, e mesmo assim é inconsistente,

é a intuição e o relampejo da consciência,

quanto mais intenso, quando mais consistente for ficando essa luz

mais próximo de seu próprio estaremos de nossa unidade,

e quem sabe um dia seremos eu um.

O que realmente importa é a luz que escada por entre  as nuvens,

apenas lute para que essa luz dure mais tempo,

encontre, aprenda a deixar essa luz no seu céu, permanentemente. 

Se não me importo com o que sou sem essa luz,

então eu me nego, e procuro manter acesa essa luz. 

José Nunes Pereira 


José Nunes Pereira  


Verdadeiramente cruel

 Não era comigo,

mas não pude deixar de ouvir.

Ele disse:

_Você não me quis por causa da minha cor!

Ela respondeu:

_Não! Eu não te quis porque você é pobre e feio,

e as duas coisas juntas é demais pra mim. 


José Nunes Pereira 


Razão de viver

 Acordo e vejo o que sobrou de vida de ontem

 e o que preciso continuar hoje. 

Não gosto de teorizações,

não gosto de quem fala contra as religiões, 

não gosto de gente que têm verdades para ser ditas,

quem sou eu para dizer qual é propósito da vida;

têm pessoas que vê razão de viver

até em ser corno,

em criar onze cachorros,

e vinte gatos. 

A teorização é feito pelo esperto,

que tem gente esperta que entende o jogo 

e está disposto a transmiti-lo a muitos seguidores

que encontram razão de viver nessa teorização. 

Há mal nisso? Certamente!

Mas quem sou eu para dar outra razão de viver para as pessoas.

Se elas seguissem o senso comum 

saberiam que no fundo o que resta é ganhar dinheiro

e alguns momentos de prazer mundano,

regados da boa e velha malandragem dos que sabem ludibriar até o diabo. 

Não sou relativista, o fato é que isso de razão de viver

é transcendental demais. 


José Nunes Pereira 


Retórica de Movimento Pendular

Não tenho retórica,

tenho senso comum,

e ele me diz que o ser humano 

vive segundo as conveniências. 


Não tenho retórica

porque no fundo 

o que todo mundo 

quer é ganhar dinheiro,

e alguns ganham esse dinheiro com retórica...

e quando convém, 

a retórica de movimento pendular 

É o seu produto. 


José Nunes Pereira 

Possibilismo

 As lições que meu pai deixou

são feitas de ações que ele não realizou,

caminhei na contramão do que ele fez,

e falo ao contrário do que ele falou.


O mundo não vai parar 

enquanto você lamenta.

Aprendi a caminhar por onde havia caminho,

e abrir passagem onde não havia passagem,

aprendi a comer o que tinha para comer,

e andar por onde dava para andar,

porém nunca deixei de ser otimista,

sempre acreditei que posso derrubar muralhas

feito as trombetas de Jericó. 


O fato de meu caminho ser mais difícil,

o fato de tentarem me impedir o caminho

não me faz melhor nem pior que ninguém,

isso apenas mostra que eles tem medo,

porque eu não me sinto subjugado.


O porque de eu ter essa dificuldades na vida

é questão reencarnacionista,

e as compreendo ao meu modo espiritualista.  


J.Nunes 


O que me convém é estar lúcido no espírito e forte.

 Não me importo


Não me importo,

mas o fato de não me importar também incomoda

porque não se importar te dá ares de "superior",

e isso ofende e incomoda,

mas não me importo,

não consigo dar importância

aos caprichos passageiros e triviais de tanta gente;

gosto de temáticas que vem da dimensão espiritual do homem.

Não me importo porque esses caprichos desse tempo

são atendidos e são considerados

porque não temos, ainda, um apocalipse.

nos lugares onde há convulsão social por questões realmente essenciais

não há espaço para atender aos caprichos e as trivialidades individuais.

Não me importo, porque simplesmente não me importo...

No fim das contas somos todos um caso perdido, 

uma mecanicidade da natureza,

por isso não me importo.

Não gosto que me cobrem sentimentos;

não cobro sentimentos nas pessoas, 

apenas gostaria que elas fossem honestas consigo mesmas e responsáveis. 

O que me convém é estar lúcido no espírito e forte.

José Nunes Pereira 




José Nunes P ereira 

  


José Nunes Pereira



José Nunes Pereira é poeta e professor, escreve a  Literatura Espiritualista, contos e literatura infantil. 

Escrevo morrendo...

Comprometimento

A poesia passa como paisagem

a qual não me prendo,

apenas fica o que ela fez de mim,

e isso é o que sou agora.

Prender me ao que foi dito antes

é me prender no que eu era. 

Por isso escrever 

exige comprometimento 

e honestidade com a palavra.

Escrevo morrendo...

Escrever é andar deixando

pegadas que não se apagam.


José Nunes Pereira  


O que é negado é confirmado pela própria possibilidade de negar e afirmar.

 Dispersão 

A sociedade materialista

foi além do materialismo

e da negação do mundo espiritual,

transformando a espiritualidade em "manifestação cultural".

A espiritualidade faz dualidade com o materialismo,

logo, a espiritualidade e o materialismo existem.

O que é negado é confirmado

pela própria possibilidade de negar e afirmar.

Esta negação da dimensão espiritual do homem,

essa dispersão na diversidade e na multiplicação de si mesmo

na tentativa incoerente e insana de se encontrar;

essa tentativa de se encontrar  na multiplicidade psicológica é igual

a quem caminha em direção oposta de onde quer chegar

e ainda tem esperança de chegar. 

José Nunes Pereira 

Deixo o discurso para que têm raízes no chão, eu sou plantado no ar e sou regado de éter.

 O discurso atende a essa linha de pensamento,

a essa doutrina, a essa ideologia...

Deixo o discurso para que têm raízes no chão,

eu sou plantado no ar e sou regado de éter.


Todo discurso se espuma de ódio

quando a realidade insiste 

em  não se encaixar em seus parâmetros e critérios. 


Deixo o discurso,

olho para eles com desdém,

não gosto de celas, prefiro olhar para a estrada

que passa por todos os discursos e os deixam a margem

em um dualismo que atende e faz a estrutura e a mecânica da vida,

ali se enraízam e morre espumando de ódio

porque a realidade teimosa não se encaixa em seus critérios. 


J.Nunes


Quem vai para a outra margem desse rio...

 Quem vai para a outra margem desse rio,

não vai para a outra margem do rio,

esse se expande feito o universo 

que se expande a medida que avanço no espaço,

quanto ao tempo, 

fica a ilusão de que existe

dentro do processo de existir sobre muitas formas e estados.


A consciência transpassa a margem do rio da morte,

e sei que não existe margem para o rio da morte,

o rio da morte e o rio vida se trançam e são a mesma coisa,

de certo modo de olhar,

como uma rua após a outra,

um rio após o outro,

um desaguar no universo

e ser a perpétua existência em estados  e formas distintas. 

A eternidade é o perpétuo desaguar no oceano cósmico,

ser deixado na praia,

ser levado pelo mar. 

A consciência paira sobre tudo, 

feito voz sem corpo, é o som consciente de Ser.

J.Nunes 

Duas pessoas silenciosas

Forma de som O problema todo é existir..., saber que existo, ter consciência disso. Tentar não existir e ter consciência que existo, é tão c...