Pesquisar este blog

Imprevisível

 Pense para falar

porque vão te jugar pelo que você fala,

pense para ficar calado

porque vão te julgar por ficar calado,

Logo fale pouco e aja mais...

porém seja imprevisível,

Calado e calculando o que pensa e fala,

naturalmente, se torna imprevisível. 

Se for para ser julgado 

que seja pelos seus atos.

J.Nunes

Não vale a pena

 Sentido  na vida 

se encontra onde se coloca a vida,

há quem encontra o sentido na vida 

em coleções as asas de borboletas mortas,

em praguejar a própria sorte...

A questão não é onde colocamos nossas vidas,

a questão é: Vale a pena?

Em qualquer coisa que se gaste a vida,

fica essa pergunta: Vale a pena? 

Um amor, pode gastar uma vida,

um desamor também pode gastar uma vida,

uma pesquisa, um não fazer nada, 

uma amargura, um trabalho, uma ambição;

tudo pode gastar uma vida. 

Escolho bem onde gastar essa vida,

quero gastar essa vida em algo que acrescenta mais vidas. 

Alguém sabe onde  investir, 

depositar minha vida? 


J.Nunes 

Um Silêncio Sem Corpo.

 Temos um conflito enorme com o existir,

não sabemos como se dá o existir,

estão para existir falamos,

para existir gritamos,

para existir participamos de tudo, 

respondemos a tudo,

pensamos no passado e vivemos no futuro

é assim que sentimos que existimos...

A verdade é que existiríamos de todo modo,

independente de falarmos, respondermos e ou de participarmos de tudo;

existir não está ligado a nada dessas ocupações físicas, sentimentais ou intelectuais,

o fato é que posso existir até mesmo sem corpo,

uma a voz sem corpo. 

Quando fecho os olhos e encontro o silêncio,

quando me esqueço onde coloquei meu corpo,

percebo que tanto faz o lado que minha cabeça ou meus pés estão,

de qualquer jeito existo, configurado do mesmo modo.

O fato de eu existir para o outro pode estar ligado ao não responder,

ao não sentir e ao não corresponder,

sou mais interessante e existo mais quando não sou a resposta para tudo,

mas o silêncio diante de tudo, 

O existir se dá com a sua presença de seu corpo e de sua energia,

de modo mais profundo, até mesmo sem um corpo,

um voz sem corpo, um silêncio sem corpo. 

Existir no agora nada tem a ver com o que penso de mim,

ou com o que pensam de mim,

nada tem a ver com o passado ou com o futuro.

Existo no exato instante independente ser ou ter sido.

Apenas sou até onde sinto, com direito a aprofundamento, 

do mesmo modo que olho até onde meus olhos alcançam,

ando até onde meus pés me levam. 


O momento presente, o sentir a cada instante

nos coloca mais perto

da realidade, e quanto 

mais consciente mais próximo

da realidade ficamos. 

J.Nunes 


Discurso e fatos

 O discurso se molda 

e se adapta  as conveniências...

isso é fato! 

O espírito Inerente

 A guerra trouxe de volta o espírito do homem.

Essência inerente, espírito 

que ficou esquecido nos períodos em que as sociedades 

puderam se ocupar em discutir direitos sexuais e igualdades.

Nas guerras e nos momentos em que a  família está em perigo ,

o homem é colocado na linha de frente

para sacrificar ou ser sacrificado;

no sacrifício é que mora o espírito do homem.


Meus avôs sacrificaram ou foram sacrificados 

a favor de suas famílias ou até pelo seu país. 

Esse espírito pode até ficar esquecido

em tempos de paz relativa;

porém esse espírito adormecido está vivo

e acorda em tempos de guerras e perigos na família.


Em tempo de guerra e de família em perigo;

Esse mesmo espírito inerente, essa essência,

esse instinto de preservação e manifestação do amor materno,

desperta nas mulheres a essência de mãe 

portadora da vida e da luz,

Esse espírito materno que está em toda a natureza. 


O homens e as mulheres voltam a suas essências 

e ao instintos naturais de preservação, proteção 

de sua família, de seus filhos e de um do outro.


J.Nunes 

O SENTINELA

O SENTINELA

Humildade indébita

 Se a sabedoria está há um passo da loucura

o orgulho anda de mãos dadas 

com a falsa virtude da humildade.

A baixa autoestima se veste de humildade e simplicidade

para encobrir o orgulho de não saber existir 

sem o orgulho e as vaidades dos pedestais. 

É preferível a vaidade e o orgulho revelado

que o orgulho e a vaidade 

velada pelo sentimento de baixa autoestima

que se veste de humildade e simplicidade,

esse tipo de orgulho é mais nocivo 

que o orgulho dos pedestais. 

Moro no coração

 Estou construindo uma estrada,

não pode haver ainda peregrinos.

Estou construindo um reino,

não pode haver ainda um rei,

Estou construindo uma casa,

não pode haver ainda moradores.


Moro no coração

escuto, vejo e sinto o coração.

moro na terceira dimensão

escuto, vejo e sinto com o coração,

enquanto ainda sinto, vejo e escuto

o mundo a minha volta;

ainda assim a partir do coração.


Quanto o coração é guarita da consciência,

A mente é o rio por onde navega o pensamento;

melhor  é deixar a mente sem o alimento do pensamento,

porque o pensar se multiplicam de si mesmos

enquanto navega nas ondas da mente, e levam a consciência. 

Melhor seria observá-los enquanto borbulham das corrente mentais,

e deixá-los morrendo nas na mente.

Podemos também não vê-los, 

morar o coração, sentir e escutar a partir do coração.

Sentir a vida ao escutar, pegar, saborear, cheirar;

ainda assim morar eternamente no coração. 

A mente formula conceitos sobre as coisas,

e os conceitos são apenas conceitos sobre as coisas,

construímos um mundo de enganos 

com nossos conceitos sobre as coisas.

Não posso dizer muito mais sobre isso,

estou construindo a estrada por onde passará 

um novo conhecimento das coisas. 


J.Nunes 

Corrente cósmico

 A consciência está sobre o instante,

está dentro do curso do rio,

consciente de estar dentro do curso do rio,

não ser o rio e não ser o que vem na correnteza do rio.

A consciência não tem tempo

o passado só existe quando o que veio na correnteza do rio

permanece agarradas em nós,

o futuro não existe, o futuro é o presente que chega. 

A consciência ganha concretude no corpo 

na qual ela ganha forma.

O rio não é o trecho ao pé do rio,

não tem um trecho específico,

o rio é aquele que passa, sobre um leito,

então temos um trecho no leito do rio

por onde o rio passa,

Então, do mesmo modo, somos um ponto

na corrente cósmica, na corrente da vida

que chamamos de tempo no seu eterno fluir. 

O que podemos fazer é nos colocar conscientes

sobre a correnteza desse rio,

deixar que nada se pegue a nossa concretude e a nossa abstração. 

A casa  1 astrológica me diz dessa permanência, 

dessa individualidade, dessa concretude e dessa consciência 

sobre o rio que passa. 

A casa 12 astrológica me diz dessa consciência 

dentro de uma grande massa atômica,

como um guerreiro camuflado, absorvido e dissolvido na paisagem,

porém consciente de sua existência física e abstrata.  


 J.Nunes 

 

A Espiritualidade alegre










A Espiritualidade alegre


A alegria espiritual

vem da mística do coração aceso pelo amor

a tudo que vem do criador,

seja no canto de um passarinho,

na música que eleva a alma,

nos cantos dos rios e da chuva,

no sopro alegre dos ventos,

nas asas dos pássaros e das borboletas, 

na paisagem que nos inspira alegria e liberdade,

na delicadeza da pétalas...

No amor sublime e carnal entre homem e mulher.

A natureza alegra aquele que despertou 

para a felicidade da contemplação do criador 

e de tudo que foi criado por ele. 


A espiritualidade de Buda

é a alegria do caminho de um coração tranquilo e contemplativo;

Alegre em movimentar, contemplar, ritualizar, 

acalmar, meditar, ascender, desenvolver a alma,

Feliz em renunciar ao desnecessário,

e aos sentimentos e vícios que nos escravizam.

A renúncia nos leva ao encontro cada vez mais profundo com Deus. 

Ao Cristo está reservado a hora mais difícil,  

os inimigos mais cruéis, o supremo sacrifício

dos momentos mais terríveis dessa jornada de busca de nosso Ser.


Caminho na alegria de Buda

ao encontro do meu Ser vasto quanto o universo,

ao Cristo eu suplico nas horas cruciais

de sacrifício e morte do pecado. 

J.Nunes 

Individualismo Coletivo

Onde hoje usamos a palavra igualdade,

leia no fundo superioridade,

Onde estão dizendo coletividade

leia do fundo individualidade.

Nos grupos leia coletividade segundo meus interesses...


A coletividade está subjugada ao individualismo.

Funcionamos no coletivo 

quando nossas metas só podem ser alcançadas na coletividade,

nos realizamos individualmente através do grupo.

Nossas ideologia faz com que acreditamos

que existe uma espécie de individualismo coletivo,

quando na realidade estamos defendendo 

nossos interesses individuais através da coletividade,

certamente porque não há outro meio que nos leve 

a realização de nossos desejos. 

O que existe são pontos de encontros de desejos

que nos fazem agir no coletivo

para que possamos atingir nossas metas pessoais. 

J.Nunes 

 


Guarde suas palavras

Guarde silêncio,
use a palavra certa,
porque palavras, muito usadas, são gastas, 
perdem a força, perdem o sentido,
ficam ocas, por fim, não dizem mais nada...

Guarde silêncio,
prefira usar o verbo interior;
o coração fala, a alma fala.
 
As palavras têm o seu lugar e a sua hora,
não as coloque em qualquer lugar,
não as gaste com qualquer um,
ou com qualquer coisa...

Guarde silêncio,
economize palavras...
deixe que o silêncio fale mais que as palavras,
deixe que um sorriso fale mais que as palavras,
deixe que um gesto e uma atitude fale mais que as palavras...

Mesmo as palavras mais duras
são desbastadas feito pedras 
de rio e ou de estradas.

Mesmo as palavras mais sublimes
são esvaziadas de sentidos
quando são colocadas em qualquer coisa 
que não tem grandeza para elas.

Guarde palavras, economize palavras
porque chegará o dia em que precisaremos delas,
e não as teremos com toda a sua força, com todo o seu sentido...
com toda a sua capacidade de dizer e de nutrir a alma.

Já vivemos o tempo da escassez das palavras,
há muitas palavras, mas se tornaram ocas 
e não saciam mais a fome do espírito. 

J.Nunes 

Horas de Apolônio

 Um parvo me acompanhou até uma catedral,

ele tentou me convencer para não entrar.

A catedral iluminada por luz cor de sol,

nela havia muitos  vitrais em muitas janelas.


O parvo entrou comigo na igreja,

Vozes de coro cantavam: 

Aleluia, aleluia, Aleluia Jesus Cristo reina, 

entonavam um oratório 

semelhante o som de Messias de Handel.


O som era ensurdecedor, não se via os cantores,

mas com um gesto pedi que o som abaixasse,

e isso aconteceu e se fez agradável.


Um parvo entrou comigo na catedral,

deixei o parvo e caminhei para fora,

os relógios, muitos relógios,

todos marcavam 11:05, horas de Apolônio. 

J.Nunes 

Duas pessoas silenciosas

Forma de som O problema todo é existir..., saber que existo, ter consciência disso. Tentar não existir e ter consciência que existo, é tão c...